O que é gastroperformance



As artes plásticas têm uma relação intrínseca com a materialidade da comida: ambos usam cores, formas, texturas e suportes. Desde os primeiros registros históricos, toda apresentação de alimentos tem sido objeto de definições estéticas, coletivas ou individuais, tanto como parte de culturas locais quanto de tendências globais. No entanto, a gastronomia – chamada de “o mais arraigado de todos os hábitos”– pouco se relacionou com o pensamento crítico das artes. Na produção de pensamento, a gastronomia é estudada principalmente pela antropologia, por aspectos que vão desde a nutrição ao modo de vida, dos mitos às crenças, dos ritos aos valores morais. Já a comida como tal –isto é, intrinsecamente enquanto alimento– tem sido, talvez, um objeto menos interessante para a antropologia do que suas implicações sociais. No entanto, quando se vai à cozinha fazer um prato, toma-se decisões estéticas. Desde uma criança de 10 ou 12 anos, quando aprende a fazer suas primeiras receitas, até o mais experiente chef tomam decisões estéticas que resultam de seu meio ambiente, de suas condições socioculturais, de sua comunidade.

O termo gastroperformance surge no cenário contemporâneo como um neologismo para definir uma nova forma de expressão através das possibilidades estéticas e culturais do material “comida”. Por meio de instalações e happenings, propõe uma experiência multissensorial sobre as diversas questões que envolvem o ser humano durante o ato de comer. A transdisciplinaridade é uma premissa imprescindível desse conceito, pois ele une a gastronomia a outras linguagens, tais como design, música, performance, escultura e pintura. Propõe-se um discurso, uma reflexão, uma discussão, e as cores, formas, texturas e sabores da comida são tecnicamente trabalhados de forma a expressar a proposta e a provocar as forças que a gastroperformance como um todo busca trazer à tona. O resultado para o apreciador de uma gastroperformance é uma vivência que parte da materialidade efêmera do alimento e suas possibilidades sensoriais, uma gastronomia que usa sua materialidade e seus ritos e símbolos como forma de expressão, que oferece um alimento não-funcional a um corpo imaterial. Na gastroperformance, o corpo não é aquele que se nutre biologicamente do alimento de forma anestesiada, mas de maneira vibrátil assimila o aspecto imaterial do alimento.